Link1 Link2 Link3 Link4 Link5 Image Map
Google+

Resenha - O Túnel do Tempo








O Voo da Estirpe II - O Túnel do Tempo
por Adriana Vargas
Lançamento: junho/2013


 
Ler Voo da Estirpe – O Túnel do Tempo, e revisá-lo, foi um prazer duplo. Primeiramente, porque – confesso – muitas vezes esqueci-me completamente de o estava revisando. Embrenhei-me no universo de Clarice tão intensamente, que me perdi. Perdi-me nas horas, na vida... No tempo. E, sim, após fartas e deliciosas linhas, obriguei-me a retornar ao ponto de partida, Enzo... Ou melhor seria dizer ao início?

Não sei... Voltemos ao “segundamente”...

Meu segundo ponto é o quão limpo é o texto da Adriana. Não que não haja erros, pois se assim fosse, ela não precisaria de revisor. Bastar ia-se por si só, porém, você se vê de frente a um texto limpo. De gramática fácil, sem redundâncias, mas ainda assim tão complexo em si.

Nunca escondi que admiro os textos da autora. Dri é uma como poucas, e para poucos. Ou você gosta ou não, não há meio termos... Eu gosto, e muito. A intensidade e complexidade de seus personagens são, em sua grande maioria, viscerais. O que não deixa de acontecer a cada personagem que ela nos apresenta em Voo. Não se iluda, você vai criar uma ligação com ele. Até mesmo aquele que você olhou de esguelha.

Amei o Enzo desde que ele veio me buscar em sonho... Desde que senti os olhos dele em mim. Ele me espreitou o tempo que o lia, nas entrelinhas das minhas dúvidas, querendo descobrir se eu o reconheceria... Confesso, eu menti para ele. Refugiei-me na roupagem de Clarice — minha rival —, uma mulher aparentemente sem passado ou futuro. Uma mulher cheia de lacunas, perguntas, incompleta.

Eu, assim como Clarice, tinha tanto a descobrir quando pisamos na França de 1920 — os anos loucos. Provei seus cheiros, senti seus sabores; sua pluralidade cultural, numa época em que Paris promovia os mais improváveis encontros de estilos artísticos. Fervilhava sedução.

Queria beijar Klaus e dizer sim ao pedido dele. Por fim aquela angústia que me corroía desde... Sei lá, minha memória é falha e eu sou tantas. Eu queria respostas tanto quanto Clarice!

Então, eu a vi feliz... Estávamos de volta a 2012, não sei bem como... Apenas aconteceu. Voltei aonde embarquei com ela, naquela viagem, dentro de seu espírito. Extensa, contagiante.

Eu voltei ao início de tudo, dos meus sonhos e dos dela. Porque a resposta que queríamos, nós já tínhamos... Sabíamos, sentíamos.

Você está me achando maluca?

Não, não sou! Eu apenas voei nas asas de uma borboleta e toquei a textura das pétalas de girassol com meus dedos. Senti o cheiro de grama cortada... Do velho e do novo. De Enzo e Klaus... Clarice e eu.

Eu apenas li Adriana...
Recomendadíssimo!




Site da Editora: http://modoeditora.com.br/ 
1

1 comentários:

Carol disse...

Ai que legal!
Eu tambem acho a escrita de Adriana uma coisa fabulosa!
Muito diferente do que estou acostumada.
Bem ansiosa para conhecer esse livro.
Resenha linda!!

bjus
terradecarol.blogspot.com

Postar um comentário

- Obrigada por ler o post e eu adoraria saber a sua opinião, então, que tal comentar:
- Responderei o seu comentário aqui mesmo.
- Comentários ofensivos/preconceituosos serão deletados.