Link1 Link2 Link3 Link4 Link5 Image Map
Google+

Feliz Dia da Mulher!



 

O berço de Catherina


Frightened by a dream, you're not the only one
Running like the wind, thoughts can come undone
Dancing behind masks, just sort of pantomime
But images reveal whatever lonely hearts can hide


Luz do sol que entrevem da janela, banha o quarto, inunda a cama... a cama onde ela dormia. Seu sono solto, sono de mulher, em sonho de menina. Onde os cabelos pretos espalhavam-se em fios de ébano sobre a fronha tão alva quanto sua pele. Pele menina, em corpo de mulher... Onde estava Catherina?
No seu belo e lindo palacete, em colunas douradas, esperando o príncipe? Não, estava na cama comum de mogno, no quarto de um bairro do Rio de Janeiro... O castelo, tão esperado por ela em seus sonhos, não era tão dourado... Nem as cortinas rosas enfurnavam com a brisa fresca, muito comum naquelas paragens, como ela sonhara.
Não havia seu belo escritório, com sua prancheta, resquícios sólidos de sua profissão; arquiteta. Nem isso, ela havia deixado ali. Eram apenas móveis, avermelhados como seu olhar, que vagava pelo quarto à procura de abrigo. Abrigo das roupas, objetos inanimados, pequenos resumos de sua vida, que como cristais translúcidos, enfeitavam seu quarto... delicadamente. A um passo de se quebrar.

Lady, lady, lady, lady
Don’t walk this lonely avenue
Lady, lady, lady, lady
Let me touch that part of you
You want me too


Aprisionavam sua alma cada vez mais... Em sonhos que não viriam, na música que há trinta anos fazia sucesso, no corroído vinil da década de oitenta. Um presente que passou à passado tão rápido, quanto a vida muda seus caminhos. Mas a alma de Catherina estava ali... imutável. A mesma menina que sorria para o príncipe encantado, do alto de sua janela, bem elaborada, em estilo art déco... Era para ele bramir sua espada e dizer poemas... Entretanto, saíam fórmulas matemáticas de seus lábios... Lábios perfeitos para Catherina, perfeitos como seus sonhos.
Fôra ela sozinha que o escolhera, o cavalo branco... há muito tempo, tornara-se malhado. As pintas lascivas que deturpavam o sonho tão puro de Catherina. Um sonho que ela não esperava chegar aquele ponto... Um ponto de reticências, como há muitos nesse texto. Uma reticências exageradas de continuidades, não contínuas. Porque no sonho de Catherina, seu príncipe era perfeito.
Usava armadura, entrava pela torre mais alta do castelo, em móveis de mogno, com toda a altura de um garanhão puro sangue... Mas aonde ele estava agora, na doçura do dia a dia das crianças que choravam, cresciam... e se libertavam do sonho de Catherina?
O que era Catherina agora, que o príncipe se despira do dourado, as cortinas rosas não tremeluziam sob a brisa... e não havia castelos... nem sonhos?

Lady, lady, lady, lady
I know it's in your heart to stay
Lady, lady, lady, lady
When will I ever hear you say
I love you


A realidade sufocante de um dia quente de verão, onde a brisa no corre, a pele esquenta... O maldito chapeado feito as seis e quinze da manhã simplesmente enverga pelo calor do Rio de Janeiro. E a droga do salto alto de quinze centímetros é só mais uma aporrinhação naquele dia que deveria ter começado perfeito, como seu casamento há vinte e dois anos!
A chuva intensa de março, enche de lama seus sapatos, e quando pisa em casa, ás seis da tarde, depois de lutar por mais de três horas contra o banco, a vaga no supermercado e o caixa... o príncipe vira e diz:
– Merda, cadê o jantar?   
Não era apenas para ele sorrir e dizer meia dúzia de besteiras, e tentar organizar as coisas de forma apropriada para um intelecto superior?
Então, Catherina apenas assenti, passa por ele e se tranca no quarto.

Time like silent stares, with no apology
Move towards the stars, and be my only one
Reach into the light, and feel love's gravity
That pulls you to my side, where you should always be


Não ouve mais os protestos descabidos de um príncipe que perdeu seu alazão em algum ponto da história, em que ela, não sabe precisar como foi que isso aconteceu...  Ela se tranca da vida, aparentemente depreciativa que há lá fora... Os anos passaram, a vida passou, mas Catherina ainda está ali... viva. Mesmo que todos os outros digam que ela não pode sonhar...
Que ela não deva sonhar...
Que ela não consegue mais sonhar...
Então, ela agora vive para ela... E um dia, aquele príncipe, que a menina Catherina sonhava, vai entrar pela torre e salvá-la da vida... Não mais dos sonhos de menina. Porque, como nós mulheres, ela também quer ser amada pelo que é... Não por ser bonita, inteligente... ou feminina. Ela quer aquilo que os filmes insuflam à mente humana, o que seu corpo de mulher pede a sua alma... e é muito mais do que apenas alguém que entra em sua vida como um príncipe... vira um pai... e envelhece sem conhecer a mulher que um dia teve ao seu lado... 
Por que, você sabe, Catherina nos deixou, há linhas atrás...

Lady, lady, lady, lady
Don’t walk this lonely avenue
Lady, lady, lady, lady
Let me touch that part of you
You want me too



Minha homenagem a todas as mulheres, 
principalmente a minha irmã Nathercia
EU TE AMO!
3

3 comentários:

Vanessa Orgélio disse...

Linda, linda, linda homenagem!!!

Roxane Norris disse...

Obrigada amiga e sócia!

Te amo!

Matheus Gaudard disse...

Lindo texto, Rô.
Amei de paixão. Como tudo o que você escreve, é magnífico. \o/

FELIZ DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES! ♥

Postar um comentário

- Obrigada por ler o post e eu adoraria saber a sua opinião, então, que tal comentar:
- Responderei o seu comentário aqui mesmo.
- Comentários ofensivos/preconceituosos serão deletados.